Maracujá de Gaveta

Maracujá de Gaveta

domingo, 3 de março de 2013

Hoje: o concreto medo de saber amar

para a prima NaninhaTenho que esticar-me para aprender a sair de mim e entrar em sonhos alheios
Estico-me e repito, para saborear a descoberta solitária de andar cambaleante
nas vésperas, nas noturnas e nas manhãs amargas que você nunca se esquece de me trazer.
Seus amigos me relembram do porque desgosta de todos os meus erros e eu me lembro que fiz todo e o melhor de mim
E choro, ontem e hoje por descobrir-me descoberta na ladeira da preguiça que leva meu corpo desamparado ao brilho eterno de meu lar.
Adeus, A Deus dará a minha alma, apenas contida e remelenta que tu detestas e amas sem simpatizar.
Erros meus são da gramática, erros meus nas chaves trocadas de cada porta sua, erros meus que nem eles sempre são todos meus
Teu trono protegido pelos leões, homens grandes e sagazes suficientemente para desarmar o meu amor-próprio e meu sutiã nas fotos sujas desses mesmos homens que me comeram e cuspiram de volta e me lembro de você rir com eles e desaventurar-se comigo.
Ontem foste amiga, hoje dor palpitante como se tivesse sido amante.
Adeus, A Deus dará minha rotina de hoje em diante novas nuances.
Teus homens te querem rainha prisioneira do castelo e eu te lembro Naninha, humana, que ama, chora, come, sofre e erra como eu.maracujá de gaveta

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s